2006-12-29

Menina má

Não, este post não é sobre como dar broncas em crianças, nem sobre supernany, nem sobre nenhum fetiche sadomasô (ou talvez um pouquinho...). É sobre o filme Menina má.com (Hard Candy, 2005 => link imdb).

Acabei de assistir, e adorei esse filme. Não vou fazer resenha aqui, até porque no link acima (não o do imdb), vc acha uma boa crítica, e como eu não tenho a pretensão de ser um escritor profissional... Esse é o filme-pesadelo de todo pedófilo, huhuhhuh

Ótimo filme, e a atuação dos dois atores principais foi excelente. Principalmente da Ellen Page, que eu gamei na hora. Na verdade, já tinha visto ela em X-Men 3, mas como no filme dos mutantes tem personagem a vontade, vc acaba não prestando atenção em todo mundo... Ela era a Kitty Pride, que nos quadrinhos era uma espécie de admiradora do Wolverine, e depois meio que sua discípula, coisa que nos dois primeiros filmes foi o papel da Vampira.

Algumas imagens de Hard Candy:

No começo, quando as aparências enganam

As cortinas vão se abrindo...
E o show começa de verdade.

E já que eu gostei tanto dessa menina, uma imagem dela nos X-Men, ao lado do picolé:


E pra terminar, umas fotos solo:


Essa foto acima não é a coisa mais kawaii do mundo? Ah, eu adoro esse visual meio tom-boy. Não é toda mulher que fica bem, mas quando fica, é um arraso =D

P.S. Não gostei de ficar manipulando imagens no blogger. Toda a imagem q eu posto vai lá pro começo do post, e não no fim, que é da onde eu vou no botão de inserir imgs. Será que mais alguém tb sofre com isso?

2006-12-27

A voz da Bulma

Estou eu vendo o filme na Globo (O Juri), que aliás, eu vi no cinema na minha saudosa Maringá, e que é realmente muito bom.

Mas o que eu quero dizer é: a Rachel Weisz (que eu acho tão bonita...) não combina com a voz da Bulma. Pra quem não lembra, é a Bulma de Dragon Ball, aquela amiga (?) do Goku que casa (?) com o Vegita (q gosto...)

Acabou a propaganda, deixa eu voltar pro meu filminho =P

2006-12-25

2006-12-23

Sites engraçados (ou engraçadinhos)

Vocês já ouviram falar da desciclopédia? É uma paródia da wikipedia.

Eu não sou fã de cavaleiros do zodiaco, mas o tópico deles estava em destaque hj quando eu acessei o site.

Se vc não gosta da Xuxa, leia aqui.Se vc já sofreu lavagem cerebral pela loira, nem entre no link.

Agradecimentos ao já conhecido blog cocada da boa, de onde eu vi o link.

2006-12-17

Acrósticos

Como eu não tenho realmente nada de bom pra publicar aqui, vou de vez em qdo, colocar algums poeminhas q eu fazia na minha juventude (até pareço um ancião falando, huhuhuh).

Vou começar colocando uns acrósticos q eu fiz. Pra quem não sabe q palavrão é esse, acrósticos são aqueles poemas cujas primeiras letras dos versos formam uma palavra. E antes que alguém se indague, eu fazia esses poemas mais pra praticar a escrever do que pra ficar mandando pra mulherada. Na verdade, só teve um desses que eu fiz pra alguém, mas tb não vou dizer =P

Ai vão alguns:

Simone

Sonhos e realidade se fundem,
Imersos no teu belo sorriso e olhar.
Mantos, capas, máscaras não confundem
Os teus olhos, cabelos, maneira de respirar.
Nada pode fazer com que afundem
Esta tua beleza e simpatia no dos teus cabelos, o mar.

Renata
Rosa primaveril,
Esta face de menina.
Néctar do teu lábio,
Alimenta e alucina.
Tanta beleza só pode ter uma razão:
Aumentar o fogo que arde da paixão.

Josiane
Jóia bela, eterna e cuidadosamente lapidada,
O teu charme é a tua beleza mais acurada.
Soltos cabelos, meigo sorriso, lábios sedutores,
Irradia dos teus olhos uma luz que espanta meus temores.
A beleza é apenas uma das tuas qualidades,
Ninguém se compara a ti, em alegria e vitalidade,
E teu sorriso é sincero, angelical e de verdade.

Mangás q eu ando lendo

Eis a lista dos mangás que eu acompanho:
XXX Holic
Frutis Basket
Inuyasha
Lobo Solitário
Sanctuary
Battle Royale

Vamos ver: 3 da JBC, 1 da Panini e 2 da Conrad... Bem distribuído.

Bem, não estou contando aqueles mangás que pararam, tipo Blade (que agora voltou, mas deve ser por pouco tempo) e Evangelion.

Tirando Furuba q é shoujo, e Inuyasha, q é shounen, o resto é seinen (pra mim, XXX Holic tá mais pra seinen, ou mesmo josei, do q pra shoujo). Hmmm, será que eu estou ficando velho? o.O

Ai ai, minhas costas doem...

2006-11-02

Feriadão

Ah, quinta feira, dia dos finados, mas o mais importante, dia de eu não fazer nada =D

Hoje não farei absolutamente nada, a não ser botar em dia alguns animes e seriados. Mas vai ser difícil, já que ontem eu comprei um box dos Simpsons, e já passei a manhã vendo o primeiro dvd...

Mas agora vamos de Death Note, só vi o primeiro, tem mais três pra assistir.

2006-10-29

Comments dos comments e outras coisas

Nossa, 4 comentários no post passado, isso é um recorde! =P

Bem, comentarei um pouco os comentários... (Adorei essa frase)

Querida yuuko-chan,

O pior não é fechar o legendaz. O pior é o jeito que a polícia federal age. As vezes, eficiente pra caramba (contra caseiros, por exemplo), outras demora uma lerdeza. Fora que (pode ser até coincidência, mas eu não acredito) essas "grandes operações" (ou como dizem por ai, "operações com nomes engraçadinhos") da polícia federal sempre são feitas logo depois de um escândalo político... Paranóia minha? Pode ser, mas eu sou do tempo dos X-Files: Trust no one =P

Bem, hj, dia de eleição, devemos ter a confirmação de mais quatro anos de lulinha assando. Se vai ser pior que chuchu sem sal, isso eu não sei. Quem dera eu soubesse, queria ser que nem o John Smith (do seriado The Dead Zone, ou O vidente - argh, que nome X(, em portugues).

E encerrando este comment do comment da yuuko-chan, não posso deixar de parabenizá-la por continuar lutando e tendo esperanças... Como já disse, eu já perdi as minhas... Agora só me resta assistir anime, tokusatsu, jdrama e seriados XD (até que tem bastante coisa...)

Para kino rei e namine, obrigado por darem um alô aqui... No blog da kino eu darei uma passadinha mais tarde, mas no profile da namine não aparece nenhum blog... Vc tem? Se eu já acessei, desculpa mas eu esqueci... ?_?

Para goiabinha, depois eu falo contigo no fone XD

=====================================================

OK, chega de assunto sério (ou nem tanto...) Comecei a upar umas musicas de anime, pra deixar como um backupzinho pra mim mesmo, mas como o site permite compartilhamento, vou liberar a pasta de musicas de animes.

Ó o endereço aqui: http://www.4shared.com/dir/1151109/7974c814/anime-music.html

E já que não é todo mundo que conhece, vou colocar algum comment ou review dos animes cujas músicas lá estão. Começando por "The melancholy of haruhi suzumiya" ou "suzumiya haruhi no yuutsu". Como sou preguiçoso, vou colocar abaixo o review feito pelo Dracull, na lista anime-br (todos os créditos pra ele!!). É graças a este review que eu assisti esse anime, tinha baixado o primeiro ep, achado ruim e largado. Mas enfim, como a vida é uma caixinha de surpresas, depois de ler o review resolvi dar mais uma chance, e não é que era bom mesmo? =D
Bem, ai vai o review:

xxxxxx

Antes de começar o review propriamente dito, estejam avisados desde já que este reflete impressões pessoais, por mais imparcial que tente ser. Poderá também conter pequenos spoilers, mesmo não comentando diretamente a história.

Kyon é o típico estudante do equivalente japonês do nosso ensino médio. Ao entrar no primeiro ano, decide largar sonhos infantis como monstros, aliens, espers e viajantes no tempo. Porém, logo na apresentação uma colega de classe declara não ter interesse nenhum em seres humanos, apenas em aliens, espers e viajantes no tempo. Wow.

Baseado em uma série de romances (livros) seinen (gênero focado em adultos jovens), a versão animada de Suzumiya Haruhi é um espetáculo. Algo que poderia passar como mais um entre os diversos clichês de anime se mostrou no mínimo fenomenal. Este título é absurdamente bem dirigido, em um ritmo que nunca vi antes. A condução da história é tão bem feita que suga quem assiste para dentro da mesma, a ponto de não se sentir o tempo passar. E a narrativa geralmente sarcástica do Kyon é deliciosa.

Ao contrário do imaginável, Haruhi surpreende até aqueles que possuem a capacidade de prever corretamente o desenrolar da história, incluindo os que já leram os livros. Coisas inimagináveis acontecem neste anime. E mesmo a execução não linear da história (ou seja, eps fora de ordem), algo que DETESTO, não é suficiente para que eu reduza a nota atribuída a esta obra magnífica: 10 em todos os quesitos!

Este título não é um anime de ação, pelo contrário, é bem parado. Com raras exceções, toda a ação é subentendida. Entretanto, no quesito animação, o pessoal do Kyoto Animation conseguiu produzir algo que apenas o termo obra-prima pode descrever. Animação de altíssimo nível, rivalizando o que o Madhouse já produziu de melhor. Não é a toa que a Gonzo perdeu a franquia Fullmetal Panic! para o KyoAni, estes caras são MUITO bons. Abertura e encerramento são magníficos, em especial a dança do encerramento - eles TEM QUE soltar uma versão completa daquilo!

Ainda sobre a animação, o episódio que motivou escrever o review original é um espetáculo à parte. O ep 12 foi magnífico! De 1 a 10, este ep ganha nota ONZE de tão absurdamente bem feito. É difícil descrever melhor sem soltar mega spoilers, as cenas do evento que torna este ep tão especial chegam a assustar. E antes do ponto alto, as cenas ditas normais dão um show na movimentação de fundo. Taí um ep que precisa ser visto várias vezes, dada a riqueza de detalhes.

Trilha sonora? No mínimo, adequada. É verdade, no geral está apenas na média, mas algumas sacadas foram geniais. Tem 2 insert songs estão no meu playlist permanente, sendo que uma delas me faz parar para prestar atenção quando toca - além de ser fantástica, remete a um dos melhores (senão o melhor) momentos da série. O cd-single do tema de encerramento conseguiu a façanha de alcançar o quinto lugar semanal de vendas segundo o Oricon.Este índice não leva em conta vendas on-line e nas lojas especializadas, como as de Akihabara. Nas lojas de Akiba, os estoques esgotaram no primeiro dia, e a reposição do segundo dia também esgotou no mesmo dia... wow.

No cast estão alguns seiyuu não tão conhecidos: Hirano Aya (Lumiere de Kiddy Grade, Sumire de Canvas 2) como Haruhi, Sugita Tomokazu (Hideki de Chobits, Rin de Shuffle!) como Kyon, Goto Yuko (Yuki de Narue no Sekai, Kaede de Shuffle!) como Mikuru, Chihara Minori (Aya de Tenjou Tenge, Ayaka de Skelter Heaven) como Yuki, Ono Daisuke (Kidafu de Scrapped Princess, Asuta de Kashimashi) como Itsuki e Matsuoka Yuki (Osaka de Azumanga, Seness de Scrapped Princess) como Tsuruya. Como curiosidade, a Hirano Aya canta MUITO bem, e o Sugita Tomokazu é a cara do Kyon.

Com a série já encerrada, posso reafirmar tranquilamente: será MUITO difícil aparecer algum anime ainda este ano que supere Haruhi. É o meu voto para melhor título de 2006. Aproveitando um exemplo já citado em outro review, Azumanga reinou absoluto por mais de 3 anos, muitos tentaram superá-lo sem sucesso, até que finalmente Paniponi assumiu seu lugar. Sem dúvidas é possível e desejável que apareça algo ainda melhor que Haruhi, mas que isto será difícil será, com certeza!

Finalizando, projeto pessoal para um futuro bem próximo: assistir Haruhi de novo, mas desta vez com os episódios na ordem certa... :-)

xxxxxx

Mais uma vez, thanks ao Dracull, sem ele, eu nunca teria visto este anime!!!

Pra quem quiser ver, eu peguei ele em inglês (não sei se algum fansub fez em pt). De qquer maneira, vai o link ai: http://a.scarywater.net/afk/%5Ba.f.k.%5D%20The%20Melancholy%20of%20Haruhi%20Suzumiya%20-%2001-14.torrent

2006-10-19

legendas

A polícia federal fechou o legendaz - antigo www.legendaz.com.br

Primeiro: não, o site não disponibilizava nem nunca disponibilizou arquivos de vídeo, nem torrents o pessoal colocava.

Segundo: muitas coisas lá não vieram e provavelmente nunca vão vir pro nosso paizinho verde e amarelo. Aliás, esse brasil anda verde (ainda falta muito pra ficar maduro) e amarelo (de doença, alguém ai se lembra das aulas de biologia do primário, onde vc estudava o amarelão?)

Terceiro: nesses tempos conturbados da política nacional, a PF deve andar realmente muito ocupada, pra ficar fechando site de legenda....

Bah, que encheção... Eu sei, vc deve saber, mas se vc não sabe, fique sabendo: fechar um (ou mais) sites de legendas não vai mudar p***a nenhuma na pirataria do brasil. Na boa, aqui em floripa, basta ir no centro da cidade (Centro mesmo, com C grandão), em frente ao terminal de onibus, perto do camelódromo e do mercado público. Vc não anda dois metros sem ter que desviar de DVDs piratas...

Dado o número de "ambulantes" (estou sendo muito bonzinho aqui), devem vender bem os dvds piratas. Será que alguém vai lá prender esse povo? Será que alguém na PF se importa? Provavelmente não. O que importa pra eles é aparecer de vez em quando na mídia, fazendo algo insignificante, mas que atraia atenção. Tsc, tsc...

Estou p*** da vida. Não pelo fechamento do site (eu vejo os filmes com legenda por comodidade, já que é mais cômodo ler em portugues, mas eu entendo inglês o suficiente pra ver 90% dos filmes/séries que eu baixo), eu estou f***** da cara por causa dessa hipocrisia... Quer saber? Esse brasil não tem jeito (e brasil com letra minúscula mesmo). Já tô vendo o barbudinho sem dedo reeleito tb...

E só pra terminar, essa hipocrisia da PF e dos órgãos de justiça é a mesma que promoveu todo o auê em torno do google e do orkut. Será que o pessoal não pode encaminhar um pedido pro google dos Usa (que é onde as coisas acontecem), pedindo os dados? E mesmo que eles não quisessem, pq não entrar com um processo na justiça americana? (do jeito q os americanos adoram uma contenda jurídica, e conservadores do jeito q estão, a simples palavra pedofilia faz qquer empresa tremer nas bases)... Não, nada disso...

Vamos pedir pro escritório do google no brasil (escritório comercial aliás, o pessoal nem deve ter acesso a maioria dos dados do google). O google br diz que não dá? Vamos fazer um auê, entrar na mídia, mostrando que a gente faz alguma coisa além de sentar o traseiro atrás de uma mesa. Vamos aparecer no jornal da rede bobo, mostrando serviço, intimidando o grande e monstruoso site americano. Vamos aparecer de Davi contra Goooglelias... Sim, pq os meios oficiais, os que dão resultado, não aparecem com o william bonde...

Cansei...

Quer saber, estou desistindo da humanidade (em especial dos brazucas)... É como dizem: Parem o mundo que eu quero descer!!

2006-10-15

Ciclos

Sei que já está passando da hora, mas tinha que comentar sobre o fim de Ouran Host Club... Ai ai ai, que tristeza, não pq o episódio final foi ruim, pelo contrário, foi muito bom, mas porque acabou 8-(

Outros que acabaram foram xxxHolic (apesar de que ainda falta o ep 24 pra eu assistir, já que o pessoal do hirameki ainda não legendou) e Honey e Clover (esse ainda falta alguns eps pro fansub Mdan legendar, e eu assistir)

Mas como a vida é feita de ciclos, mortes e renascimentos, indas e vindas...

Estrearam as temporadas novas de Lost, Supernatural e Smallville =D, o que quer dizer que não ficarei sem ter o que assistir, muito pelo contrário, meu HD anda em falta, já que não assisto na velocidade em que baixo os eps XD

Pra quem quiser, eu baixo via torrent, uso o site www.torrentspy.com pra procurar pelos torrents, e o www.legendaz.com.br pra pegar legendas... Sim, eu sou preguiçoso e prefiro assistir com legendas XD

2006-10-13

Comentários sobre o Google

Estava lendo em um dos blogs q acesso (http://www.roughtype.com/archives/2006/10/united_states_v.php):

"In contrast to IBM and Microsoft, whose fierce competitiveness made them good villains, Google seems an unlikely monopolist. It’s a happy-face company, childlike even, which has gone out of its way to portray itself as the Good Witch to Microsoft’s Bad Witch, as the Silicon Valley Skywalker to the Redmond Vader."

Tradução livre:
Diferentemente da IBM e Microsoft, cujas ferozes competitividades fazem delas boas vilãs, Google não parece monopolista. É uma companhia de rosto alegre, até infantil, que exporta a imagem de si mesma como a boa bruxa em contraste a bruxa má Microsoft, como o Skywalker do vale do silício contra o Vader de Redmond.

Huhuhuhu, essa do skywalker foi boa...

E ainda sobre o google:

"The company’s heart may be in the right place, but its economic interests lie elsewhere. And public companies aren’t known for being led by their hearts."

Tradução livre:O coração da companhia parece estar no lugar certo, mas seus interesses econômicos estão em outro lugar. E companhias não são conhecidas por serem levadas por seus corações.

...

Só pinceladas do post, pra saber sobre o que Nicholas diz, visite o link acima, q eu não estou com vontade de fazer um resumo

2006-09-12

Memórias digitais

Lendo um artigo velho na bbc brasil (velho num sentido "internetês", já que não faz nem um ano - aqui), encontro tio Bill Gates falando sobre capacidade de guardar os seus (no sentido de nossos) trecos digitais online, de forma a formar uma "memória digital". Isso me fez pensar em algumas coisas...

Primeiramente, sobre memórias em geral. Além de nossas memórias guardadas (ou nem tanto assim) dentro da nossa mente, fazem parte das memórias de uma pessoa: fotografias envelhecidas, cartas escritas e recebidas, brinquedos quebrados e guardados, revistas amareladas, vidros de perfumes vazios que ainda retém a lembrança do cheiro, e outras tranqueiras pessoais, que cada um de nós vai acumulando ao longo da vida.

Do ponto de vista digital, a maior parte dessas "memórias", ou o que eu prefiro chamar de manifestações ou extensões físicas dessas memórias (já que memórias só existem dentro de uma pessoa), é formada por e-mails, posts em blogs ou fóruns, fotos e videos digitais (não pra mim, já que eu não tenho nem máquina fotográfica normal, muito menos digital).

Bem, o ponto central é a transietoriedade e efemeridade da vida, que ninguém gosta de lembrar. Todas essas tranqueiras, numa linha temporal mais longa, vão simplesmente virar pó. Literalmente. Aliás, como toda a civilização, como todo o sistema solar, inclusive.

Ok, não vamos tão longe no futuro assim. Fiquemos numa escala de tempo mais "humana". Por acaso você tem alguma coisa do seu bisavô? Ou do avô dele? Aposto que não. Se muito, alguma jóia de família, estilo filme americano. Se bem que isso, nos moldes brazucas, é meio difícil de acontecer... Bem, jóias ou coisas do gênero ainda têm valor intrínseco alto. E aquelas coisas que só têm valor sentimental? Pra onde vão? Com o passar das gerações, pro lixo. Se alguma dessas peças tiver muita sorte, pro museu. Mas o destino da maioria é mesmo o limbo.

E nossas "memórias digitais"? Será que seguirão o mesmo destino das nossas "tranqueirinhas"? Ninguém sabe, já que esse modelo é um tanto quanto diferente, apesar de possuir similaridades com as nossas "memórias físicas" (as coisas que a gente guarda).

Vejamos, nossas "memórias digitais", apesar de digitais, ainda precisam de um meio físico para existirem (o seu disco rígido, um cd, etc...). Nesse aspecto, não diferem do baú da vovó, onde descansam poeira e fotos envelhecidas. Entretanto, por serem digitais, têm uma característica que, eu particularmente, considero sensacional: a capacidade de multiplicação, clonagem mesmo. Afinal, é muito fácil passar arquivos de uma mídia para outra. Além disso, temos a Internet hoje em dia. Nossos arquivos podem se libertar da tirania local do disco rígido e trafegar (sem controle, diga-se de passagem) por muitos locais.

O que essas tecnologias afetam nas nossas memórias? No nosso legado? Porque, no fim das contas, ao guardar coisas, colecionar memórias, tentamos deixar impresso no mundo, uma parte de nós, que indubitavelmente vai pra outro lugar (dependendo do que você acredite).
Pessoas morrem, mas seus profiles permanecem em sites de relacionamento (no orkut tem mais gente morta do que o menino do sexto sentido viu em sua vida :P). Fotos, opiniões em fóruns, tudo fica por aí... Será que isso significa que uma parte da pessoa permanece "viva"? Pode ser, mas não se animem, porque não é por muito tempo.

Assim como uma "jóia de família" um dia vai pro prego, ou passa pra outra família (até porque o conceito de família é muito elástico), o seu profile um dia vai ser apagado, suas fotos, emails, etc., idem. Essas coisas só se mantêm quando alguém toma conta delas, o que no caso dos mortos, no máximo se estende até a geração dos netos, excepcionalmente bisnetos. E se ninguém toma conta delas, não vão ser os donos dos servidores que abrigam os sites que vão cuidar.

Afinal, se pra um usuário do orkut, por exemplo, é tudo de graça, não é de graça pro google. Ou do youtube, pra guardar os seus videozinhos. Aliás, a grana que esse povo do youtube gasta em banda, não é brincadeira.

Concluindo esse texto enorme, não vou concluir nada. Conclusão é bom em redação, teses, etc. Como esse texto é mais um devaneio meu, fica inconcluso mesmo.

2006-09-06

Passado

As vezes parece tão distante, outras vezes, parece ao alcance das mãos. Esse tempo distante, que é trazido de volta pelas nossa memórias, que prega peças, e faz com que anos se pareçam minutos, quando se trata de determinadas lembranças...

As vezes saudosista, outras tantas, reavaliando os passos para ver onde estamos agora, o passado já se fora na realidade, no tear do mundo, mas permanece vivo dentro de cada um, dentro de cada história. O passado de cada um não é passado dentro das lembranças; permanece vivo, mutável, vívido, paradoxalmente presente, enquanto ali estiver. E queira deus ou no que acreditarmos, que não nos esqueçamos dele.

Pois podemos assassinar o passado, simplesmente esquencendo-o. Então, perdemos até mesmo a base para onde estamos: sem passado, não há presente; sem presente, o futuro não importa.

E isso tudo começou com uma reflexão boba sobre as eleições deste ano de 2006. Mentalmente, fiz uma retrospectiva para as duas eleições passadas, o que me levou para o ano de 1998. Mesmo não querendo, a memória e as lembranças se tornam mais nebulosas, mas este ano, em particular, com todas as suas alegrias e tristezas (mesmo sendo muitas), quero que permaneça vivo em mim.

Não vivo de lembranças, não me prendo ao passado. Mas ele faz parte de mim, fez parte da minha construção. E por isso, mantenho-o vivo, mesmo que somente nas lembranças.

2006-06-17

Nas horas vagas dos concursos - parte2

Então, aqui vai o que eu escrevi nas horas vagas do último concurso (maldita Cespe!!!) que eu fiz :

Nuvens cinzas dominam o céu.
Na boca, o gosto amargo do mel.
Pois nada é doce, só a utopia.
No mundo do divã, da terapia.

Frases sem verbo para comemorar.
Sem passado e futuro para lembrar.
Apenas a caneta sem sentido
Sobre o papel branco e colorido.

E essa rede não pára nunca,
De neurônios da testa até a nuca.
Pseudônimos de uma maluca.

Que fará então o relógio.
Tic tac, tic tac é o seu negócio.
Vazio, morto como o meu ócio.

by
Eu mesmo, na data da prova, que não me lembro

Nas horas vagas dos concursos

Você por acaso já prestou algum concurso ou vestibular? Bem, dependendo da sua idade, provavelmente já.

Os piores são aqueles que não te deixam sair com nada anotado, nem o caderno de provas nem nada, antes de uns quinze minutos do prazo final da prova. Particularmente, os concursos organizados pela Cespe (www.cespe.unb.br) que eu fiz foram assim.

Vamos lá: a prova teve duração de quatro horas e meia (!), mas geralmente eu não levo todo esse tempo pra fazer... Depois de três horas, tinha acabado. Mas... como você só pode levar o caderno de provas faltando quinze min. para o final, ainda tinha que esperar uma hora e quinze min... E o que fazer numa situação dessas?

Primeiro, como temos um boooooom tempo, revisamos mais uma vez a prova e ficamos pintando os espacinhos redondos de preto. OK, se vc for masoquista, vai revisar a prova detalhadamente e gastar uma hora nisso, mas como eu não sou, quinze/vinte minutos são suficientes pra isso. E ainda resta quase uma hora de espera...

Aí a gente fica olhando os monitores da sala, olhando os outros candidatos (alguns na mesma situação que vc, outros ainda fazendo a prova, furiosamente rabiscando os seus cadernos de prova...), mas o tempo não passa..........

A gente vê alguns candidatos (que estão na mesma situação) quase dormindo, debruçados na carteira, outros parados silenciosamente na mesma posição (quase que meditando) e olhando para o infinito...

Como isso é muuuuito chato, eu tento fazer alguma coisa. Mas fazer o que, quando no máximo só se tem caneta e papel? (pouco, pq a prova toma quase todo o caderno)... A gente começa rabiscando, fazendo algum desenho besta e sem sentido (totalmente abstrato), começa a escrever algumas palavras desconexas, que vão evoluindo para frase, e no final, temos alguma coisa. No meu caso, um poeminha ridiculo...

2006-05-18

E falando em serendipity...

Olhem que servicinho legal do yahoo eu achei: http://answers.yahoo.com/

É o seguinte: vc "posta" a sua pergunta e alguma boa alma lá responde. (coloquei o "posta" entre "" porque acho que postar não faz parte do português, apesar que eu posso estar errado, jah que no site do correios tem postar, e não no contexto de fórums)

O google também tem um serviço de answers (http://answer.google.com/answers/), só que esse é pago.

Ambos são em inglês. Dei uma procuradinha rápida no do yahoo e não achei perguntas em português.

Antigamente, havia um site associado ao fulano que tinha essa mesma idéia de vc poder perguntar algo e outras pessoas responderem. Mas esse site deve ter falido. Foi muito tempo atrás. Será que alguém lembra do nome dele? Vou postar essa pergunta lá no yahoo, hehehe.

serendipity

Cada palavra que existe no mundo ¬¬...

Serendipity é uma delas. Não, não tem em português, pelo menos até onde eu saiba (e também até onde as ferramentas de idioma do google sabem, o que aliás não é muito).

Serendipity é quando vc acha/descobre algo legal quando estava procurando por outra coisa, ou como diz esse site (em inglês), é a arte de achar algo procurando por outra coisa.

Me lembrei dessa palavra lendo o site do post anterior: http://www.roughtype.com/archives/2006/05/the_systematize.phpLink
Mas por incrível que pareça, jah tinha conhecimento dessa palavra antes, por causa do filme de mesmo nome. Link: http://en.wikipedia.org/wiki/Serendipity_(movie)Link
Aliás, a Kate Beckinsale é a vampira dos meus sonhos, huhuhu (se vc viu Underworld ou Underworld Evolution, sabe do que estou falando).

Um texticulo

Um texticulo, que obviamente não fui eu que escrevi (fonte aqui):

The amorality of Web 2.0

October 03, 2005

From the start, the World Wide Web has been a vessel of quasi-religious longing. And why not? For those seeking to transcend the physical world, the Web presents a readymade Promised Land. On the Internet, we're all bodiless, symbols speaking to symbols in symbols. The early texts of Web metaphysics, many written by thinkers associated with or influenced by the post-60s New Age movement, are rich with a sense of impending spiritual release; they describe the passage into the cyber world as a process of personal and communal unshackling, a journey that frees us from traditional constraints on our intelligence, our communities, our meager physical selves. We become free-floating netizens in a more enlightened, almost angelic, realm.

But as the Web matured during the late 1990s, the dreams of a digital awakening went unfulfilled. The Net turned out to be more about commerce than consciousness, more a mall than a commune. And when the new millenium arrived, it brought not a new age but a dispiritingly commonplace popping of a bubble of earthly greed. Somewhere along the way, the moneychangers had taken over the temple. The Internet had transformed many things, but it had not transformed us. We were the same as ever.

The New New Age

But the yearning for a higher consciousness didn't burst with the bubble. Web 1.0 may have turned out to be spiritual vaporware, but now we have the hyper-hyped upgrade: Web 2.0. In a profile of Internet savant Tim O'Reilly in the current issue of Wired, Steven Levy writes that "the idea of collective consciousness is becoming manifest in the Internet." He quotes O'Reilly: "The Internet today is so much an echo of what we were talking about at [New Age HQ] Esalen in the '70s - except we didn't know it would be technology-mediated." Levy then asks, "Could it be that the Internet - or what O'Reilly calls Web 2.0 - is really the successor to the human potential movement?"

Levy's article appears in the afterglow of Kevin Kelly's sweeping "We Are the Web" in Wired's August issue. Kelly, erstwhile prophet of the Long Boom, surveys the development of the World Wide Web, from the Netscape IPO ten years ago, and concludes that it has become a "magic window" that provides a "spookily godlike" perspective on existence. "I doubt angels have a better view of humanity," he writes.

But that's only the beginning. In the future, according to Kelly, the Web will grant us not only the vision of gods but also their power. The Web is becoming "the OS for a megacomputer that encompasses the Internet, all its services, all peripheral chips and affiliated devices from scanners to satellites, and the billions of human minds entangled in this global network. This gargantuan Machine already exists in a primitive form. In the coming decade, it will evolve into an integral extension not only of our senses and bodies but our minds ... We will live inside this thing."

The revelation continues:

There is only one time in the history of each planet when its inhabitants first wire up its innumerable parts to make one large Machine. Later that Machine may run faster, but there is only one time when it is born.

You and I are alive at this moment.

We should marvel, but people alive at such times usually don't. Every few centuries, the steady march of change meets a discontinuity, and history hinges on that moment. We look back on those pivotal eras and wonder what it would have been like to be alive then. Confucius, Zoroaster, Buddha, and the latter Jewish patriarchs lived in the same historical era, an inflection point known as the axial age of religion. Few world religions were born after this time. Similarly, the great personalities converging upon the American Revolution and the geniuses who commingled during the invention of modern science in the 17th century mark additional axial phases in the short history of our civilization.

Three thousand years from now, when keen minds review the past, I believe that our ancient time, here at the cusp of the third millennium, will be seen as another such era. In the years roughly coincidental with the Netscape IPO, humans began animating inert objects with tiny slivers of intelligence, connecting them into a global field, and linking their own minds into a single thing. This will be recognized as the largest, most complex, and most surprising event on the planet. Weaving nerves out of glass and radio waves, our species began wiring up all regions, all processes, all facts and notions into a grand network. From this embryonic neural net was born a collaborative interface for our civilization, a sensing, cognitive device with power that exceeded any previous invention. The Machine provided a new way of thinking (perfect search, total recall) and a new mind for an old species. It was the Beginning.

This isn't the language of exposition. It's the language of rapture.

The Cult of the Amateur

Now, lest you dismiss me as a mere cynic, if not a fallen angel, let me make clear that I'm all for seeking transcendence, whether it's by going to church or living in a hut in the woods or sitting at the feet of the Maharishi or gazing into the glittering pixels of an LCD screen. One gathers one's manna where one finds it. And if there's a higher consciousness to be found, then by all means let's get elevated. My problem is this: When we view the Web in religious terms, when we imbue it with our personal yearning for transcendence, we can no longer see it objectively. By necessity, we have to look at the Internet as a moral force, not as a simple collection of inanimate hardware and software. No decent person wants to worship an amoral conglomeration of technology.

And so all the things that Web 2.0 represents - participation, collectivism, virtual communities, amateurism - become unarguably good things, things to be nurtured and applauded, emblems of progress toward a more enlightened state. But is it really so? Is there a counterargument to be made? Might, on balance, the practical effect of Web 2.0 on society and culture be bad, not good? To see Web 2.0 as a moral force is to turn a deaf ear to such questions.

Let me bring the discussion down to a brass tack. If you read anything about Web 2.0, you'll inevitably find praise heaped upon Wikipedia as a glorious manifestation of "the age of participation." Wikipedia is an open-source encyclopedia; anyone who wants to contribute can add an entry or edit an existing one. O'Reilly, in a new essay on Web 2.0, says that Wikipedia marks "a profound change in the dynamics of content creation" - a leap beyond the Web 1.0 model of Britannica Online. To Kevin Kelly, Wikipedia shows how the Web is allowing us to pool our individual brains into a great collective mind. It's a harbinger of the Machine.

In theory, Wikipedia is a beautiful thing - it has to be a beautiful thing if the Web is leading us to a higher consciousness. In reality, though, Wikipedia isn't very good at all. Certainly, it's useful - I regularly consult it to get a quick gloss on a subject. But at a factual level it's unreliable, and the writing is often appalling. I wouldn't depend on it as a source, and I certainly wouldn't recommend it to a student writing a research paper.

Take, for instance, this section from Wikipedia's biography of Bill Gates, excerpted verbatim:

Gates married Melinda French on January 1, 1994. They have three children, Jennifer Katharine Gates (born April 26, 1996), Rory John Gates (born May 23, 1999) and Phoebe Adele Gates (born September 14, 2002).

In 1994, Gates acquired the Codex Leicester, a collection of writings by Leonardo da Vinci; as of 2003 it was on display at the Seattle Art Museum.

In 1997, Gates was the victim of a bizarre extortion plot by Chicago resident Adam Quinn Pletcher. Gates testified at the subsequent trial. Pletcher was convicted and sentenced in July 1998 to six years in prison. In February 1998 Gates was attacked by Noël Godin with a cream pie. In July 2005, he solicited the services of famed lawyer Hesham Foda.

According to Forbes, Gates contributed money to the 2004 presidential campaign of George W. Bush. According to the Center for Responsive Politics, Gates is cited as having contributed at least $33,335 to over 50 political campaigns during the 2004 election cycle.

Excuse me for stating the obvious, but this is garbage, an incoherent hodge-podge of dubious factoids (who the heck is "famed lawyer Hesham Foda"?) that adds up to something far less than the sum of its parts.

Here's Wikipedia on Jane Fonda's life, again excerpted verbatim:

Her nickname as a youth—Lady Jane—was one she reportedly disliked. She traveled to Communist Russia in 1964 and was impressed by the people, who welcomed her warmly as Henry's daughter. In the mid-1960s she bought a farm outside of Paris, had it renovated and personally started a garden. She visited Andy Warhol's Factory in 1966. About her 1971 Oscar win, her father Henry said: "How in hell would you like to have been in this business as long as I and have one of your kids win an Oscar before you do?" Jane was on the cover of Life magazine, March 29, 1968.

While early she had grown both distant from and critical of her father for much of her young life, in 1980, she bought the play "On Golden Pond" for the purpose of acting alongside her father—hoping he might win the Oscar that had eluded him throughout his career. He won, and when she accepted the Oscar on his behalf, she said it was "the happiest night of my life." Director and first husband Roger Vadim once said about her: "Living with Jane was difficult in the beginning ... she had so many, how do you say, 'bachelor habits.' Too much organization. Time is her enemy. She cannot relax. Always there is something to do." Vadim also said, "There is also in Jane a basic wish to carry things to the limit."

This is worse than bad, and it is, unfortunately, representative of the slipshod quality of much of Wikipedia. Remember, this emanation of collective intelligence is not just a couple of months old. It's been around for nearly five years and has been worked over by many thousands of diligent contributors. At this point, it seems fair to ask exactly when the intelligence in "collective intelligence" will begin to manifest itself. When will the great Wikipedia get good? Or is "good" an old-fashioned concept that doesn't apply to emergent phenomena like communal on-line encyclopedias?

The promoters of Web 2.0 venerate the amateur and distrust the professional. We see it in their unalloyed praise of Wikipedia, and we see it in their worship of open-source software and myriad other examples of democratic creativity. Perhaps nowhere, though, is their love of amateurism so apparent as in their promotion of blogging as an alternative to what they call "the mainstream media." Here's O'Reilly: "While mainstream media may see individual blogs as competitors, what is really unnerving is that the competition is with the blogosphere as a whole. This is not just a competition between sites, but a competition between business models. The world of Web 2.0 is also the world of what Dan Gillmor calls 'we, the media,' a world in which 'the former audience,' not a few people in a back room, decides what's important."

I'm all for blogs and blogging. (I'm writing this, ain't I?) But I'm not blind to the limitations and the flaws of the blogosphere - its superficiality, its emphasis on opinion over reporting, its echolalia, its tendency to reinforce rather than challenge ideological extremism and segregation. Now, all the same criticisms can (and should) be hurled at segments of the mainstream media. And yet, at its best, the mainstream media is able to do things that are different from - and, yes, more important than - what bloggers can do. Those despised "people in a back room" can fund in-depth reporting and research. They can underwrite projects that can take months or years to reach fruition - or that may fail altogether. They can hire and pay talented people who would not be able to survive as sole proprietors on the Internet. They can employ editors and proofreaders and other unsung protectors of quality work. They can place, with equal weight, opposing ideologies on the same page. Forced to choose between reading blogs and subscribing to, say, the New York Times, the Financial Times, the Atlantic, and the Economist, I will choose the latter. I will take the professionals over the amateurs.

But I don't want to be forced to make that choice.

Scary Economics

And so, having gone on for so long, I at long last come to my point. The Internet is changing the economics of creative work - or, to put it more broadly, the economics of culture - and it's doing it in a way that may well restrict rather than expand our choices. Wikipedia might be a pale shadow of the Britannica, but because it's created by amateurs rather than professionals, it's free. And free trumps quality all the time. So what happens to those poor saps who write encyclopedias for a living? They wither and die. The same thing happens when blogs and other free on-line content go up against old-fashioned newspapers and magazines. Of course the mainstream media sees the blogosphere as a competitor. It is a competitor. And, given the economics of the competition, it may well turn out to be a superior competitor. The layoffs we've recently seen at major newspapers may just be the beginning, and those layoffs should be cause not for self-satisfied snickering but for despair. Implicit in the ecstatic visions of Web 2.0 is the hegemony of the amateur. I for one can't imagine anything more frightening.

In "We Are the Web," Kelly writes that "because of the ease of creation and dissemination, online culture is the culture." I hope he's wrong, but I fear he's right - or will come to be right.

Like it or not, Web 2.0, like Web 1.0, is amoral. It's a set of technologies - a machine, not a Machine - that alters the forms and economics of production and consumption. It doesn't care whether its consequences are good or bad. It doesn't care whether it brings us to a higher consciousness or a lower one. It doesn't care whether it burnishes our culture or dulls it. It doesn't care whether it leads us into a golden age or a dark one. So let's can the millenialist rhetoric and see the thing for what it is, not what we wish it would be.

2006-05-01

Garotinhos e Garotinhas do meu Brasil

E agora, o wannabe candidato a presidente Antony Menininho resolveu fazer greve de fome. Na minha opinião, o Antony Gorduchinho apenas queria fazer uma dieta pra perder um pouco daquelas pelancas, aí aproveitou pra fazer um estardalhaço e dizer que entrou numas de greve... Nada melhor do que na véspera do dia do trabalho, entrar em greve, assim vc não perde um dia útil, huahuahua.

E deu agora a pouco na folha, que o Gorduchinho já perdeu 700 gramas. É, a dieta-greve já está trazendo resultados... É o Molequinho experimentando a dieta dos miseráveis do Brasil, com ou sem greve.

Whatever, dude!

P.S. Em todo caso, se vc acredita no Pirralhinho, tem o site do indivíduo aqui.

2006-04-30

Sem criatividade total

Hoje, além de estar sem criatividade para bolar um título bacana, estou sem criatividade para escrever algo bacana tb.

Por isso, nestes momentos de tédio infinito, quando as idéias fluem direto para o vórtice do nirvana budista (o nada, em suma), o melhor a fazer é relaxar e ler uns quadrinhos.

Existe o já clássico Dilbert. Pra quem trabalha ou já trabalhou numa empresa (média pra cima), vcs vão se identificar muito com essas tirinhas. Mesmo pra quem é um vagabundo total, e nunca trabalhou na vida, é muito engraçado.

Outra tirinha, que eu acabei topando graças aos comentários do Scott Adams (o criador do Dilbert) no seu blog, é Pearls Before Swine. Seus personagens são animaizinhos fofinhos (no desenho, claro), mas que fazem muita coisa doida. E coisa doida não no sentido infantil, porque essa tira é tudo, menos infantil. Vale muito a pena. Ao contrário do Dilbert, que já foi (não sei se ainda é) publicado por aqui, Pearls eu nunca vi por essas bandas. Por isso, não sei qual seria o nome oficial em português.

Pois é, por hoje é só...

...ou não.

Acabei de lembrar do último ep de Lost que eu assisti, sobre o querido e roliço Hurley. Uma coisa eu tenho que concordar com ele: só numa fantasia ou surto psicótico uma loirinha daquelas iria estar a fim dele. Ou então na ilha de Lost, que pode ser eventualmente uma fantasia ou sonho de alguém, bem como o surto psicótico do JJ Abrams.

Agora sim, o fim.

2006-04-26

Jornal do SBT

Uma pergunta que não se cala na minha cabeça: por que raios o tio Silvio do SBT passa o jornal do SBT duas vezes, em seguida? E nem é de madrugada que isso acontece, é antes das "séries premiadas"...

Bom, antigamente, o SBT colocava o jornal (na época, com o Hermano Hering) em loop infinito nas madrugadas... Tudo bem, era só pra encher linguiça na programação e não ficar com a tela zunindo com os traços verticais coloridos ou cheia de estática, isso eu até aceito...

Agora, pra que isso? Será que o Carlos Nascimento, o atual apresentador, tem no contrato cláusula de tempo de exposição, e pra economizar, eles passam o mesmo jornal duas vezes seguidas? Mistérios...

Em tempo: acho isso uma merda mesmo, e acabei indo dormir sem ver West Wing...

Damn you, SBT!!

Whatever, you damn bastards!!!

2006-04-23

Alone again

Mais uma vez, sozinho no lab...

Ouvindo a abertura/encerramento de Air:

Air OST1 - 03 - Tori no Shi.mp3
Air OST1 - 26 - Farewell song.mp3

Aliás, que anime triste o Air... Mas um dos melhores que eu já vi.

Oh, whatever, dude.

P.S. - para baixar esse anime, vá no #omda ou #hirameki
Links ai do lado, na parte de links, ora...

Ainda no mesmo lugar...

Ok, são mais de seis da tarde, a noite de outono já chegou e a escuridão já começa a reinar lá fora. Enquanto isso, aqui dentro, enfurnado no glorioso lcmi (o nome do laboratório), continuo na minha árdua jornada através dos indecifráveis textos canônicos e apócrifos que compõem este maravilhoso campo chamado IA... ¬¬

E enquanto lendo e escrevendo, vou comendo um bis branco (que só agora eu vi que tem o nome de bis laka e não bis branco...). Aliás, um bis branco não, uma caixa de bis branco...

Neste intervalo, entre o último post e este, outros valorosos companheiros de mestrado passaram por aqui, entretidos com suas próprias batalhas (tradução: dissertações ^^). Não sei se fico mais feliz ou triste, por saber que outros estão na minha situação....

Oh, whatever, dude. It sucks!

Continuando...

Holy crap!, I wrote a lot of nonsense stuff in last post, but I really didn´t say what I was intending to say.

How loser I am... You know, what a normal person would be doing in a bright, warm, blue-sky sunday afternoon? Playing with its kids (if you are unlucky to have any... ^^), taking a walk with your girlfriend (or boyfriend, it depends on your sexual preferences...), or hanging out with some fellas. All this would be what a NORMAL person would be doing. Even if you are a loser, you would be laying down on your sofa, drinking some beers and watching the damned sunday´s tv shows (including that boring sports shows...).

But hey, if you are a REALLY loser, a freak, a geek, an otaku (don´t know what it is? search the wikipedia or google it, you damn bastard lazy!), you will be sitted in front a screen with a keyboard, or writing some shit that no one will ever care about, or reading this same shit... ¬¬

Now you know why my life sucks!

Just for record: this damned blogger posted my first post twice! Oh, this really sucks, but, whatever, dude...

Primeiro post

Uow, o primeiro post a gente nunca esquece! <- bah, que frase infame.

Na verdade, nem é o primeiro blog q eu crio. O outro, q deve estar no céu dos blogs, teve uma vida bem curta. Mal nasceu, e já foi para o lado obscuro da realidade (nem q seja virtual).

Ok, ok, chega disso!

Cá estou eu, num belo começo de tarde de domingo, enfurnado num laboratório, cercado de apenas computadores.

Man, it sucks! Yeah, now I´m writing in english. I don´t know why, but sometimes it feels more confortable to write in english. Maybe it´s ´cause I´m willing to practice, or maybe because, in this way, my subconscious think no one will read (and it is probably right!). Bah, anyways, it sucks! Everything sucks! I was gonna say porn movies don´t suck, but hey, those porn actress suck a lot!!! huhuhuh

And if by chance, someone reads it, and thinks my english sucks, fuck you!! Yeah, I can´t care less. Dude, whatever!

Well, I really love the sound of this: "whatever, dude!" or "dude, whatever". In fact, I love this word: whatever! huhuhuh... And of course, after watching Lost and Supernatural, I can´t stop saying "dude". Yeah, Hurley "Staypuff" (or whatever how it is written) rocks!
Blog Widget by LinkWithin